ONS amplia volume de usinas térmicas autorizadas a gerar energia

Documento do órgão aponta 17.442 megawatts médios para esta semana.
Térmicas são ligadas para poupar água dos reservatórios das hidrelétricas.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) autorizou, para esta semana, o despacho de 17.442 megawatts médios de energia a ser gerada por usinas termelétricas – movidas a combustíveis como óleo, gás, carvão e biomassa. Essa quantidade é a maior do ano e representa uma alta de 6,9% em relação à autorizada para a semana passada (16.308 megawatts médios).

O G1 procurou a assessoria do ONS, que não soube informar a razão desse aumento no despacho de térmicas – o dado consta do sumário executivo do Programa Mensal de Operação (PMO), publicado pelo órgão na sexta (7). Entre as razões podem estar uma maior disponibilidade de usinas térmicas ou a entrada em operação de novos empreendimentos deste tipo.

Com a queda no nível dos reservatórios de hidrelétricas desde o início do ano, o ONS vem autorizando a geração de uma quantidade maior de energia pelas termelétricas. Essa medida ajuda a poupar água dos reservatórios, mas, como a energia das termelétricas é mais cara, leva a aumento na conta de luz dos brasileiros.

No ano passado também houve uma situação parecida, com queda no volume dos reservatórios, e a fatura pelo maior uso de térmicas foi de R$ 9,5 bilhões. O governo decidiu que o repasse desse valor aos consumidores seria parcelado em até cinco anos, para evitar um salto nas contas de luz. A cobrança da primeira parcela deveria acontecer em 2014, mas pode ser adiada.

Previsão de alta para os reservatórios
O mesmo Programa Mensal de Operação (PMO) informa que o ONS elevou a previsão de armazenamento de água nos reservatórios de hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste para o final de março. De acordo com o órgão, as represas devem fechar o mês com nível médio de 40,7%. No PMO da semana anterior, a previsão era mais pessimista: 37,9%.

Essa revisão acontece porque o sistema utilizado pelo ONS para coordenar o sistema elétrico prevê, agora, que podem ser mais intensas as chuvas nas regiões onde ficam esses reservatórios. Com mais chuvas, o nível desses lagos deve se elevar. No domingo (9) eles registravam armazenamento médio de 35,48%.

Com isso, o ONS espera agora que chegue a essas represas, ao longo de março, uma quantidade de água equivalente a 77% da média histórica para o mês. Na semana anterior, a estimativa era que essa quantidade de água, chamada de afluência, fechasse março em 67% da média histórica.

A preocupação do governo é maior com a situação dos reservatórios de hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste porque eles são responsáveis por cerca de 70% da capacidade de geração de energia do país.

Nos meses de janeiro e fevereiro, a afluência nessas represas ficou, respectivamente, em 54% e 39% da média histórica. O índice de fevereiro é o segundo pior para o mês em 84 anos. O de janeiro foi o terceiro pior em igual período. A pouca chuva fez com que os reservatórios do Sudeste e Centro-Oeste atingissem, em fevereiro, o mais baixo nível de armazenamento de água desde 2001, ano em que o governo decretou o racionamento de energia.

Fonte: Fábio Amato | G1